Pepa é o novo treinador

Técnico português passa a liderar o plantel pacense

“Mãos à obra, trabalhar e sermos felizes”. O FC Paços de Ferreira chegou a acordo com Pepa e a sua equipa técnica para que assumissem o comando do plantel principal do clube. E hoje, na Mata Real, o novo homem do leme dos Castores falou à imprensa, depois de ter já realizado o seu primeiro treino com o plantel.

“As primeiras palavras têm de ser de agradecimento. De uma forma muito curta e objetiva, tenho a dizer que foi muito rápido. A partir do momento em que falamos, ontem, foi rápido por tudo – pela questão do coração e também a questão racional, de ver um clube com umas condições fantásticas”, começou por dizer Pepa aos jornalistas.

O novo técnico do FC Paços de Ferreira regressa a uma casa que bem conhece, uma vez que passou pela Mata Real como jogador, na época 2004/2005. Um regresso que, segundo o próprio, “já podia ter acontecido há muito”: “Passei aqui como jogador e tenho muitas e boas memórias desse tempo. Más a nível pessoal, devido a um problema grave de saúde que tive, mas cresci muito aqui. Vi aqui algo que me marcou, que é a família Paços. ‘Jogar à Paços’ é carismático e é algo com que me identifico muito”.

Para esta temporada, o objetivo é, claramente, a manutenção, “mas, mais do que isso, é o dia a dia, é o treino, é a vivência diária, conhecer os jogadores ao pormenor… Tudo. Com naturalidade as coisas vão surgindo”. “Jogo a jogo, nós vamos conseguir aquilo que pretendemos”, frisou.

Sobre o grupo de trabalho, o técnico de 38 anos que já passou por clubes como Feirense, Moreirense e Tondela afirmou que todos os atletas são importantes, não havendo espaço para individualidades: “Este grupo de trabalho é o melhor grupo de trabalho do mundo, porque são estes jogadores até ao fim. Portanto, é agarra-me a ele, conhecê-lo de forma profunda, meticulosa, e potenciar e valorizar o máximo possível”.

Durante a conferência de imprensa, Pepa falou ainda dos adeptos pacenses, destacando a exigência que lhes é característica: “Quando há exigência, é bom sinal. É sinal de que não é um clube qualquer. Os adeptos são exigentes e ainda bem, só temos é de perceber isso. Temos de conseguir fazer com que tenham orgulho naquilo que a equipa faz dentro de campo. É o nosso objetivo”.

Samuel Correia (treinador adjunto), Pedro Oliveira (fisiologista), João Ricardo (treinador de guarda-redes), Pedro Azevedo (Analista) e Hugo Silva (vídeo análise) completam a equipa técnica.

Noticias Relacionadas